Dois homens explicando gráfico

Qual a importância do capital de giro para um pequeno negócio?

Você sabe qual é a importância do capital de giro? Por que ele é essencial para uma pequena empresa? Pois bem, esse termo representa os recursos necessários para a continuidade das operações de um negócio.

Ou seja: trata-se do capital disponível para investimento e para custear os gastos fixos ou variáveis, dentre outros correlacionados ao dia a dia de um empreendimento. É bem interessante ter esse conceito em mente para procurar realizar um bom gerenciamento de tais recursos.

Pensando nisso, elaboramos um artigo com todas as informações necessárias para que você, empreendedor, compreenda mais sobre o assunto. Então, continue a leitura e não perca nenhum detalhe!

Qual a importância do capital de giro para o planejamento estratégico e financeiro?

Estratégias comerciais

Como já foi dito, é o capital de giro que realmente financia as atividades da empresa. Vamos imaginar que seu negócio compre os produtos sempre de um mesmo fornecedor, por exemplo. Entretanto, um novo vendedor oferta a você outras mercadorias, com um desconto de 40% sobre o valor de seu antigo fornecedor.

Seria uma proposta bastante interessante, não é mesmo? Mas um ponto vital para dar prosseguimento à venda seria ter um capital à disposição para pagar por esses produtos, pois o novo fornecedor só concede o desconto para pagamentos à vista.

Esse exemplo ilustra bem como o capital de giro pode impactar diretamente nas estratégias comerciais de uma companhia. Afinal, se não há um bom volume de recursos para situações como a que ilustramos, pode haver uma perda considerável para todo o empreendimento.

Planejamento financeiro

O capital de giro também tem extrema relevância para o planejamento financeiro. Vamos exemplificar mais uma vez, para facilitar a compreensão. Imagine que sua empresa não tenha um bom capital de giro para custear os pagamentos trabalhistas. Então, você, empreendedor, decide fazer um empréstimo bancário para saldar essas dívidas.

Com isso, há uma grande perda para todo o negócio, pois existem diversas taxas e juros embutidos em um financiamento. Desse modo, a companhia fica prejudicada por não conseguir maximizar suas potencialidades oriundas das receitas na venda de produtos e serviços.

Por isso, é preciso contar sempre com um bom planejamento do capital de giro, evitando situações como as listadas anteriormente. Pense no assunto!

Como uma pequena empresa pode conseguir um capital de giro?

Essa pergunta é bem importante. Agora que você já sabe qual a relevância do capital de giro para um negócio, é preciso analisar as formas de se conseguir recursos para manter a operação comercial saudável.

Em primeiro lugar, vamos definir como se calcula o capital de giro. É preciso somar o Ativo Circulante (todo o dinheiro em caixa e recebíveis), subtraindo o Passivo (que representa os gastos que devem ser quitados nos 12 meses subsequentes). Após isso, encontramos o valor real da reserva que o empreendimento tem.

Agora, já podemos responder à pergunta inicial de nosso tópico. Existem algumas possibilidades de adquirir recursos. Confira!

Adiantamento de recebíveis

Sua empresa pode realizar um adiantamento de recebíveis. Você sabe o que é isso? O negócio receberá alguns valores nos próximos meses (a famosa compra a prazo). Realizar um recebimento desse dinheiro é a forma mais barata de ter acesso a um capital de giro.

O único problema que pode ocorrer nessa modalidade é a cobrança de taxas pelos bancos. A segunda maneira de se conseguir um capital de giro é bem mais conhecida: o empréstimo bancário, que oferece um custo bem mais elevado para o empreendedor.

Empréstimo

No empréstimo, existem diversas linhas de crédito com taxas e prazos diferenciados. Aqui, o grande detalhe é realizar pesquisas e orçamentos em diferentes instituições para, depois, definir qual a melhor alternativa. Planejamento é tudo. Pense sempre nisso!

Conta garantida

Outra opção é a conta garantida. Essa forma de crédito é pouco conhecida e diferencia-se do cheque em conta, com taxas mais reduzidas. Como o próprio nome sugere, trata-se de um tipo de crédito baseado em alguma garantia. Ou seja: o banco fornece valores para empréstimo desde que haja outra receita para custear, por exemplo, os recebíveis.

Como isso influi na definição de metas?

As metas são importantíssimas para qualquer negócio, desde multinacionais até pequenas empresas. Além de ser altamente relevante defini-las, é preciso sempre procurar alcançá-las. Afinal, estamos falando de indicadores fundamentais para a observação do cumprimento de requisitos e a avaliação da competitividade do negócio.

O capital de giro tem uma participação fundamental na definição de metas. Afinal, com os recursos em caixa, é possível trilhar caminhos para o alcance de determinados objetivos comerciais. O capital de giro pode, por exemplo, ser usado em metas de orçamento, nas quais os custos devem ser reduzidos e mantidos sobre controle.

Portanto, podemos empregar o capital de giro como uma métrica de avaliação, pois, se há mais recursos em caixa, terá ocorrido uma redução nos custos fixos e variáveis do empreendimento.

Quais os riscos de um mau controle?

O capital de giro tem uma preponderância em toda a empresa — e seu mau uso é capaz de sacrificar a continuidade das operações. Pensando nisso, pode haver um ciclo perigoso de empréstimos bancários para custear as despesas operacionais.

Sem dinheiro em caixa, o empreendedor acaba recorrendo aos bancos, que têm taxas e juros bem elevados. Assim, toda a receita adquirida com a venda de produtos ou serviços é direcionada ao pagamento desses débitos.

Não é preciso ser um exímio gestor para compreender os prejuízos que isso pode causar. Desse modo, o empreendimento fica vulnerável aos bancos, tendo que aceitar as condições e os contratos adversos.

É preciso sempre realizar um bom gerenciamento do capital de giro, de modo a maximizar as oportunidades de negócio. Nunca se esqueça disso!

E, por fim, fica evidente a extrema importância do capital de giro para uma pequena empresa, não é mesmo? Esse é um ponto ao qual os gestores devem atentar.

Gostou de nosso conteúdo? Então, não deixe de assinar nossa newsletter agora mesmo para não ficar por fora de nenhuma novidade do blog. Afinal, informação é tudo hoje em dia. Não perca tempo!

Autor Contsimples Fransico

Francisco Melo Jr.

Contador especializado em micro e pequenas empresas com 20 anos de experiência.
Head de Contabilidade da ContSimples, dedica seu tempo a descomplicar a contabilidade e a escalar montanhas por aí.



Comentários: