gestão financeira para advogados

Advogados: 6 dicas de gestão financeira para você equilibrar as contas de seu escritório de advocacia

Se você é advogado e pretende abrir seu próprio escritório, precisa saber que dominar o conhecimento jurídico não basta para que seu empreendimento seja bem sucedido. É necessário que o advogado também tenha noções de gestão administrativa, para que seu escritório mantenha-se saudável financeiramente, tenha uma boa relação com clientes e parceiros e, por fim, possa perseverar no competitivo mundo jurídico. Confira a seguir as melhores práticas de gestão financeira para advogados.

Infelizmente, não são muitas as faculdades de Direito que se dedicam a ensinar sobre os aspectos mais práticos da vida profissional do bacharel. Por essa razão, é sempre importante conhecer algumas dicas que poderão ensinar o advogado a administrar melhor as finanças de seu escritório de advocacia. Confira 6 delas logo abaixo:

1- Tenha um planejamento estratégico

Tal como em qualquer outra empresa, ter um bom planejamento e objetivos estratégicos a curto, médio e longo prazo é essencial para o sucesso de seu escritório. Assim, será mais simples orientar qual deve ser a direção e o tamanho dos esforços para sócios, investidores e colaboradores, tendo sempre em mente o objetivo almejado.

Para definir tal objetivo, é necessário responder algumas questões. Em primeiro lugar, quais serão as áreas de atuação que o escritório irá se focar? A formação acadêmica dos advogados que irão trabalhar permite uma ênfase em qual área jurídica? A partir disso, os sócios poderão começar a traçar o perfil de clientes que costumam buscar serviços jurídicos nessas áreas, e o que fazer para atraí-los.

Depois, será necessário definir os investimentos necessários para que o escritório alcance o objetivo traçado, para que ninguém seja pego de surpresa. Finalmente, é necessário ter um sistema bem definido para avaliar os resultados obtidos até então, e se as metas foram alcançadas.

Para um maior detalhamento do planejamento estratégico que você deve ter em seu escritório, leia este artigo do Blog Juris Correspondente.

2- Separe suas contas pessoais das do escritório

Cuidado: nunca deixe seus gastos pessoais (como supermercado, gasolina, contas de água e de luz de sua residência, etc.) se misturarem com os de seu escritório! Este é um erro comum, que pode ser prejudicial ao financeiro de sua empresa, ao tornar difícil distinguir quais são seus gastos pessoais com os do escritório.

Para evitar isso, você precisa ter em mente quais exatamente são os gastos de sua vida pessoal e profissional. Faça planilhas detalhadas, que o ajudarão a visualizar as despesas e recursos em casa e no escritório. Ou, se preferir, use softwares específicos para controlar e automatizar a sua gestão financeira. E, principalmente: nunca retire recursos do escritório para pagar contas pessoais, e vice-versa!

3- Gastar responsavelmente

É necessário sempre se manter atento ao volume de seus gastos, para que o dinheiro não seja “jogado fora”. Muitas de suas despesas talvez sejam desnecessárias, e poderiam ser cortadas sem maiores problemas. Um exemplo simples: se o computador que você utiliza em seu serviço está funcionando perfeitamente e atendendo suas necessidades no trabalho, então talvez não seja necessário adquirir um novo, e potencialmente mais caro.

Claro, um escritório precisa ter um ambiente agradável e com conforto, não apenas para manter a motivação na equipe, como também para passar uma boa impressão aos clientes. É necessário encontrar o equilíbrio correto entre alcançar este objetivo, mas não exagerar nos gastos, criando despesas que serão difíceis de se arcar depois.

4- Contrate um contador

Se sentir dificuldades para operar essa parte financeira de seu negócio, não precisa se preocupar! Basta utilizar o serviço de um profissional especializado para analisar o fluxo de caixa, organizar e detalhar melhor as finanças de seu escritório. Obviamente, contratar os serviços de um contador gerará despesas adicionais, mas será um pequeno preço a se pagar para ver suas finanças organizadas. Além disso, uma maior clareza em seu departamento financeiro tornará mais simples verificar se os investimentos realizados estão trazendo os resultados desejados.

5- Crie um fundo de caixa

Em tempos difíceis na economia, é sempre importante deixar um fundo reservado para emergências. Assim, seu escritório terá meios para sobreviver mesmo em períodos de “vacas magras”, ou quando surge uma despesa inesperada. Portanto, procure reservar uma parte dos lucros mensais para manter o fundo de caixa bem alimentado, mas também lembre-se de utilizar esses recursos apenas em casos de grandes necessidades.

6- Realizar o marketing jurídico do escritório

Apesar do Código de Ética da OAB impor diversas proibições ao marketing na área jurídica, ainda existem diversas táticas de publicidade para você tornar seu escritório conhecido pelos clientes certos. Para começar, você precisa criar a identidade visual, como uma logo atraente, interessante e em consonância com a imagem que você quer que seu escritório passe. Depois de aplicar essa identidade em cartões de visita e no próprio ambiente do escritório, é necessário divulgá-lo: distribua seus contatos entre amigos, familiares e conhecidos, participe de eventos e congressos de sua área…

Na internet, você pode encontrar um grande número de oportunidades para publicizar os serviços de seu escritório: ter um site oficial ou um blog, criar páginas nas redes sociais, enviar e-mails para possíveis clientes, publicar artigos jurídicos, e mesmo participar de sites específicos dedicados à aproximar clientes e advogados, como o Dubbio, por exemplo.

Neste artigo do Blog Juris Correspondente, detalhamos melhor técnicas de marketing jurídico para você conhecer, estudar e implementar no escritório.

7- Utilize advogados correspondentes

Em seu escritório, é provável que você se depare com diligências em outras localidades, seja uma audiência em uma comarca distante, seja tirar cópias de documentos em outra localidade. Realizar você mesmo tais serviços implicaria em gastos com transporte, alimentação, e talvez até mesmo hospedagem, entre outros.

Portanto, uma opção muito mais econômica é a contratação de advogados correspondentes, na qual você delega sua diligência a um profissional residente em outra cidade. Em outras palavras, ao invés de se deslocar até outra comarca, basta instruir e contratar um advogado local que realize o serviço.

Mas como encontrar um advogado correspondente qualificado? Felizmente, na internet existem diversas plataformas dedicadas a isso, como o Juris Correspondente, que encontra dezenas de milhares de advogados em todo o Brasil. Basta informar a cidade na qual você necessita de sua diligência para visualizar os correspondentes disponíveis. E, se desejar, você ainda pode refinar sua busca por áreas de atuação e serviços prestados, para ter certeza de que está encontrando o profissional certo para seu serviço.

Se você gostou das dicas de hoje, nos acompanhe no Facebook e no Twitter para ficar por dentro de mais conteúdos do Blog Juris Correspondente!


Comentários:

×